Rodrigo Queirós

Origem: Coimbra

Géneros: maestro

Partilhe esta página

Nascido em Coimbra, iniciou os estudos na música aos quatro anos de idade, em violino e piano. Aos seis anos de idade foi seleccionado entre os cincos melhores jovens violinistas portugueses, sem limite de idade, para estudar com Tybor Varga. Foi premiado a nível nacional, aos doze anos de idade, no Concurso de violino da Juventude Musical Portuguesa. Estudou na Universidade de Aveiro, nas classes de violino de David Lloyd e de música de câmara de Vitali Dotsenko e José Pereira de Sousa, e na Escola Superior de Música de Lisboa, nas classes de violino de Aníbal Lima e de Música de Câmara de Olga Prats e Irene Lima.
Solista e Primeiro Violino do ensemble das Jornadas Nova Música de Aveiro durante quatro anos, trabalhou com maestros e compositores como Edwin Roxburg, Wolfgang Niessner, Luc Breaweys, Salvattore Sciarrino, entre outros. Participou como músico convidado na Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Gulbenkian e Filarmonia das Beiras. Integrou a Orquestra de Câmara Pedro Alvares Cabral e a Orquestra dos Solistas de Lisboa. Integra, desde 2001, a Orquestra Clássica do Centro.
Tem uma actividade regular em várias formações de câmara, tocando com músicos como Aníbal Lima, Irene Lima, Ciciliu Isfan, Jorge Trindade, Paulo Gaio Lima, Paul Wakabayashi, David Lloyd, João Paulo Santos, António Salgado, Pedro Meireles, Yutaka Oya, Xuan Du, Henk Van Twillert, Vasco Barbosa, entre outros.
Participa regularmente, como violinista solista, de câmara, ou como chefe de orquestra, em festivais internacionais, destacando-se a participação na Folle Journée 2004 (CCB), Dias da Música 2007 e 2008, várias edições do Peças Frescas, em Lisboa, Festival Internacional de Leiria, Aveiro, Faro, Belfort, Montecatini, Perugia, Florença, Ischia, Múrcia. Dedica-se com regularidade à música contemporânea, tendo já estreado obras de vários compositores nacionais e estrangeiros, como solista do Momentum Ensemble e do Performa Ensemble, e convidado para gravar obras de vários autores.
Apresenta-se regularmente a solo com orquestras como Orquestra Clássica do Centro, Orquestra Sinfónica de Leiria, tendo também sido solista com a Camerata Josefa de Óbidos, Camerata Vianna da Mota (no Teatro Nacional de São Carlos) e com a Orquestra “Raizes Ibéricas”, a tocar e dirigir ou acompanhado por maestros como David Wyn Lloyd, Jean-Sébastien Béreau, Massimo Mazza, Piero Bellugi.
Dedica-se ainda, de forma esporádica, á composição, tendo sido gravado um ciclo de lieder da sua autoria pela editora Numérica, e colaborou com a produtora Marginal Filmes e com os realizadores José Carlos de Oliveira e António Pedro Vasconcelos na produção de bandas sonoras para filmes e documentários. Estreou em 2014 e 2015, no Festival Internacional Música em Leiria, obras da sua autoria escritas para o evento.
É Mestre (pré-Bolonha) em Performance, pela Universidade de Aveiro, tendo obtido a classificação de dezanove valores no exame final de violino, na classe do professor Aníbal Lima, e defendeu com sucesso a sua tese sobre a edição de obras de compositores portugueses, centrada em Luís de Freitas Branco; destaca-se ainda no seu percurso académico a sua participação como conferencista nos Encontros Performa 2005, na Universidade de Aveiro.
Colaborou com a orquestra Momentum Perpetuum (orquestra de Jovens de Portugal) durante todo o período da existência desta, cerca de cinco anos, como professor de cordas e assistente do maestro Martin Andre.
Na área da direcção de orquestra, foi orientado por José Atalaya, Martin Andre, Piero Bellugi, e foi discípulo do Maestro Jean-Sebastien Béreau, tendo feito a especialização em direcção de orquestra no Conservatoire de Lille, França, a qual concluiu com a classificação máxima, tendo obtido o Primeiro Prémio por unanimidade do júri no Prix de Concours, em 2011, em todas as modalidades (sinfónico, direcção com solistas, ensaio, teatro e ópera).
Dirige regularmente a Orquestra Sinfónica de Leiria (formação pertencente ao Orfeão de Leiria), na qual sucedeu a Jean-Sébastien Béreau como maestro principal em 2011, tendo já dirigido também alguns concertos da Orquestra Clássica do Centro.
Foi, entre 2010 e 2014, director executivo dos Estágios Internacionais de Orquestra e Masterclasses de direcção de orquestra em Leiria, assistindo Jean-Sébastien Béreau.
Leccionou como professor convidado na Universidade Moderna de Lisboa no curso de Licenciatura em Cinema, nas áreas de estética, hermenêutica, escrita e análise de guião e produção sonora, foi professor de violino no Conservatório de Coimbra, e actualmente é professor de violino, música de câmara e Orquestra no Conservatório de Artes e na Escola Profissional do Orfeão de Leiria, e na Academia de Música de Alcobaça.